Seu navegador não suporta ou está com o JavaScript desabilitado, por conta disso, podem ocorrer falhas nesse site.

Deu match no primeiro EntreMasters do ano

Iniciamos o ano com match total sobre o conteúdo Tendências para 2021! Além do vídeo de dezembro e dos post-lembrete agora em fevereiro, Ary Bucione, fundador da NutriConnetion, é o convidado do EntreMasters deste mês.

 

Confira a entrevista a seguir.

Mastersense: Ary, conte-nos sobre sua história com o mercado de alimentos e bebidas saudáveis.

Ary Rosa Bucione: Sou muito atento em saúde e bem-estar e priorizo um estilo de vida onde o equilíbrio entre alimentação e hábitos saudáveis fazem parte do meu dia a dia. Sem nenhum radicalismo sempre busco soluções que tragam um benefício para a nossa saúde, mas que também proporcionem prazer de consumir. E o meu primeiro contato com os alimentos funcionais foi no ano de 1994, mais de 25 anos, quando os laboratórios Pfizer que operavam uma unidade de negócios com ingredientes para alimentos lançaram pioneiramente a polidextrose, uma fibra muito solúvel. E eu fui convidado para criar o projeto de introdução deste ingrediente no Brasil.

 

Quais os maiores aprendizados ao longo de seu trabalho nessa área?

ARB: Muitos. Quando iniciei a minha dedicação aos alimentos e bebidas saudáveis me dei conta de que precisava agregar novos conhecimentos e passei a voltar a minha atenção à nutrição, prática esportiva e saúde do consumidor. Foi muito motivante saber que eu podia ajudar, com os meus produtos e conhecimento, as pessoas através de recomendações de saudabilidade. Foi como se eu ao mesmo tempo que desenvolvia o meu progresso profissional fazia uma contribuição para um mundo mais saudável.

 

Na sua opinião, quais os principais desafios que a indústria brasileira enfrenta para alavancar o mercado de alimentos funcionais? E qual o papel das startups de alimentos nesse cenário?

ARB: A indústria brasileira de alimentação tem o enorme desafio imposto por um país que precisa evoluir em tecnologia e agregação de valor. Somos um líder no agronegócio, como por exemplo a soja, que somos o maior exportador mundial, mas ainda temos uma jornada à frente na agroindústria. E isto também se aplica ao mercado dos funcionais. Na minha opinião a indústria de alimentos e bebidas pode inovar com mais produtos que encontrem a expectativa do consumidor. Novas experiências de sabor e textura devem ser complementadas com produtos que agregam saudabilidade sem perder a prioridade do bom sabor. Alimentos mais nutritivos e mais gostosos são e continuarão como alternativas para aumentar o valor agregado e a diferenciação. E as start-ups, neste caso as chamadas food-tech trazem agilidade e versatilidade no processo de busca de novos produtos para o consumidor, porque trabalham com ciclos de desenvolvimentos mais curtos, ágeis e mais focados nas preferências e aplicam os conceitos da digitalização tais como a internet da coisas tradução da expressão inglesa de IOT, internet of things, ou o machine learning que é a informação que chega no celular sobre o que estamos controlando. A revolução 4.0. Sem falar do desenvolvimento de uma comunicação mais objetiva com conteúdo que gera maior convergência nas mídias digitais.

 

Como surgiu a ideia de fundar a NutriConnection?

ARB: Diante da complexidade da Ciência da Nutrição, que envolve inúmeros fatores para seu correto entendimento e a disseminação frente às atuais necessidades dos consumidores, surgiu a NutriConnection. Fizemos uma pesquisa e sentimos que o mercado buscava uma consultoria com soluções voltadas ao segmento de mais saúde bem diferenciadas e com informações que permitam tomar decisões em novos desenvolvimentos de maneira mais rápida e com mais resultados. Além de estarmos conectados às preferências do consumidor e as movimentações de mercado, sempre buscamos identificar o que faz a diferença sem maiores complexidades.

 

Como o trabalho de vocês pode colaborar com a evolução do mercado de alimentos e bebidas saudáveis?

ARB: Trabalhamos com três grandes áreas: inteligência de mercado, comunicação científica e consultoria. Focados nestes três elementos oferecemos 11 soluções que se priorizam com os nossos relatórios setoriais especiais, geração de conteúdo, treinamentos e consultoria específica. Vivemos no mundo dos ingredientes funcionais e a agregação dos benefícios de saúde para o consumidor quando estão aplicados em alimentos, bebidas e suplementos.

 

Conte-nos um pouco sobre como foi construído o Relatório de Tendências 2021, lançado em novembro de 2020?

ARB: O ano de 2020 foi o ano que o mundo mudou e muito, quando o mais certo passou a ser o incerto. Um vírus sem vida própria afetou implacavelmente sem exceção a vida de todos. Nesta inédita realidade, o consumidor passou a buscar mais imunidade para enfrentar esta nova situação e os alimentos que proporcionam mais saudabilidade se converteram em prioridade. Começamos o relatório de Tendências para 2021 olhando para a indústria de alimentos como um segmento do mundo corporativo, e este servindo a sociedade que é composta pelos consumidores. Também nos ajudou muito a inverter a expressão em inglês farm to fork, da fazenda ao garfo e decidimos partir do garfo do consumidor e encontrar o que pode ajudar a indústria a trabalhar no que hoje é para nós todos o novo normal. Foram detectadas muitas possíveis tendências e então passamos a identificar as de maior prioridade destacando as oito tendências com mais convergência e com maior facilidade de adoção.

 

Quais tendências do relatório estão refletindo com mais força nesse momento?

ARB: Como apenas começamos o ano de 2021 notamos que há uma clara maior atenção ao que o relatório descreve como Reinvenção dos Alimentos Funcionais e Proteínas e crescimento do plant-based. Em seguida e olhando para as outras 6 tendências do relatório notamos um maior interesse para os aspectos que envolvem o mercado do grupo dos Idosos e o Home Cooking este último com a busca de alimentos pré-preparados oferecidos nas prateleiras dos supermercados.

 

Que dicas você daria a quem quer empreender na área de alimentos e bebidas saudáveis?

ARB: A resposta é imediata. Divida, resista e acredite. O compartilhamento é o princípio essencial da inovação aberta e permitir participação de fornecedores e consultorias irá ajudar a tomar decisões mais assertivas. A resistência é conseguida com as ações vinculadas aos pontos fortes do negócio e que permitem melhor e mais fácil controle. E por último e não menos importante acredite que tudo vai passar.

Agradeço a Mastersense por esta oportunidade em que divido um pouco da minha história e a criação da NutriConnection. Espero que todos envolvidos no mercado de alimentos e bebidas saudáveis encontrem nestas linhas, inspiração, força redobrada e senso de equilíbrio para um ano de 2021 com mais energia e saudabilidade para vencer todos os desafios.